Crises globais desafiam fiéis e igrejas a uma liberalidade humanitária

Na tarde de 9 de outubro de 2012, uma adolescente de 15 anos entrou em uma van escolar, em uma província no nordeste do Paquistão. Um homem chamou-a pelo nome e apontou-lhe uma arma. Três tiros foram disparados. Uma das balas atingiu o lado esquerdo do rosto da estudante. Ela sobreviveu ao ataque e passou a ser conhecida no mundo inteiro. Seu nome é Malala Yousafzai. Desde cedo defensora dos direitos das mulheres e crianças ao acesso à educação em seu país natal, é a mais jovem laureada com o Prêmio Nobel da Paz.

O homem que executou o atentado contra sua vida era membro do Talibã, um movimento construído por forças que unem religião, política, nacionalismo e intolerância, demonstrando o quão aterrorizante esta mistura pode ser e por que a laicidade é importante. Agora, estas mesmas forças voltam a tomar o poder no Afeganistão depois de 20 anos, em um dos mais importantes acontecimentos da geopolítica global recente. Em artigo no jornal The New York Times, Malala expressa seu lamento: “Os países que usaram os afegãos como peões em suas guerras ideológicas e gananciosas os deixaram com o peso por conta própria”.

O peso da politização e da ideologia pode calejar a sensibilidade humana para algo horrível, que é a maneira como a história se repete como um looping de tragédias que parece infinito. E para os cristãos, o desafio é olhar para o sofrimento dessas pessoas de uma maneira que vá além da resignação, seguida por cabeças sendo balançadas enquanto escutam que “são sinais de que o mundo está perto do fim”. O momento exige um testemunho que também se manifeste em ações práticas de compaixão e cuidado com as pessoas que sofrem, ainda que à distância. E há maneiras de fazer isso, mesmo que remotamente.

Veja, por exemplo, o que acontece no Haiti. Em 2010, um terremoto atingiu este país, deixando cerca de 220 mil mortos. Agora, 11 anos depois, um terremoto ainda mais intenso sacudiu o país já tão empobrecido, sobrecarregando hospitais, destruindo prédios, prendendo pessoas sob escombros, deixando outra vez milhares de mortes.

Papel ativo

Por favor, ore pelo Haiti e apoie o trabalho de organizações humanitárias como a ADRA Internacional, uma das primeiras a chegar ao local. Os danos são terríveis e os agentes humanitários sofrem com bloqueios de gangues que dificultam acesso às áreas mais vulneráveis. Considere seguir as redes sociais da ADRA e fazer uma doação para apoiar este trabalho de socorro e emergência. O acompanhamento das ações e o apoio com recursos são, junto com as orações, formas de minimizar o sofrimento dos haitianos.

Em 1996, Cabul, no Afeganistão, foi tomada pelo movimento que agora volta a dominar o país. Naquela ocasião, mulheres foram proibidas de trabalhar, provocando o caos: à época, um quarto dos serviços civis de Cabul, todo o ensino e grande parte dos serviços de saúde dependiam das mulheres. As escolas femininas foram fechadas. Cerca de 2.750 obras de arte antigas no Museu Nacional da cidade foram destruídas a golpes de machado, mais de 55 mil livros de bibliotecas públicas do Afeganistão foram destruídos. O receio da comunidade internacional é que este estado de terror volte a ser uma realidade, sacrificando o futuro de mulheres e de crianças.

Ore pelo Afeganistão e apoie agências que continuam a trabalhar no país, como a Médicos Sem Fronteiras, que segue amenizando a dor das pessoas. “Continuamos a tratar pacientes em todos os nossos projetos, em circunstâncias terríveis”, diz trecho de post publicado no site internacional da agência, que continua: “Os sons da guerra tornam muito difícil dormir, mas a equipe mantém todos os departamentos do hospital abertos até hoje”. Suas orações e seu apoio, com atenção e recursos, serão uma dádiva para iniciativas tão essenciais como estas.

Sensibilidade necessária

Em momentos de tantos desafios, a Igreja pode se levantar e testemunhar de um Deus que sempre se preocupou com todas as pessoas. Em Deuteronômio 14:28-29, o Senhor aconselha os hebreus que desfrutavam de uma liberdade recém-conquistada, depois de séculos de escravidão no Egito, a destinar receitas da colheita armazenada do terceiro ano de cultivo para ajudar os estrangeiros, órfãos e viúvas, para que pudessem “se achegar, comer e saciar-se, e para que Yahweh, teu Deus, os abençoe em todo o trabalho de tuas mãos”.

É uma descrição que nos ajuda a pensar sobre a importância da liberalidade humanitária como testemunho do amor de Deus. “O que Deus nos dá é para ser repartido e multiplicado”, ensinou o pastor Diego Barreto. E concluiu: o mordomo fiel é o que reparte, cuidando do outro, e não de si mesmo apenas.

Que você ajude a inspirar a sua igreja a dedicar orações e liberalidade humanitária para abençoar os que sofrem neste momento. Esteja em Cabul. Esteja no Haiti.

Facebook Comments Box

sobre Portal Adventista Baixo Guandu

"É um grande privilégio de elaboração do site PORTAL ADVENTISTA DE BAIXO GUANDU/ES, no dia 18 de Setembro 2014 para a divulgação aqui na cidade local, regional e em todos os Países. Nosso Objetivo é divulgarmos os programas, materiais entre outros que se realizam na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em prol do Evangelho Eterno, assim diz o Senhor: “ Breve Jesus Cristo Voltará” Apocalipse 22:1-21. Portanto não será então em benefício próprio, sim a necessidade desse divulgação nessa cidade que todos se entregam sua vida a Jesus Cristo, nosso Salvador. Att: Thiago Amaral de Oliveira - Baixo Guandu/ES."

Além disso, verifique!

Por que existe inflação e como ela afeta nosso dia a dia?

A inflação, aumento dos preços de bens e serviços, acontece quando existe falta de produto …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × cinco =

×

Sejam Bem-Vindos!

Sejam Bem Vindos ao Nosso Portal Adventista de Baixo Guandu/ES. Estamos a Disposição 24 Horas.

× Fale Conosco 24 horas!