Dia 04: Recebendo o Resgate – 09 de Fevereiro 2020

Respondeu Jesus: “Digo-lhe a verdade: Ninguém pode entrar no Reino de Deus, se não nascer da água e do Espírito. O que nasce da carne é carne, mas o que nasce do Espírito é espírito” (Jo 3:5, 6). Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus, porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte. Porque, aquilo que a Lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando Seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado. E assim condenou o pecado na carne, a fim de que as justas exigências da Lei fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito (Rm 8:1-4).

Aproximemo-nos de Deus com um coração sincero e com plena convicção de fé, tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada e tendo os nossos corpos lavados com água pura. Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos, pois Aquele que prometeu é fiel (Hb 10:21-23).

Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça (1Jo 1:9).

Se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados, mas tão somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que consumirá os inimigos de Deus (Hb 10:26, 27).

Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus, recebam o que Ele prometeu (Hb 10:36).

  • GRAÇA PARA O PECADOR

Unicamente por meio do sangue do Crucificado existe purificação do pecado. Sua graça, tão somente, nos habilita a resistir e subjugar as tendências de nossa natureza caída. […] A vontade humana, desajudada, não tem nenhum poder real para resistir ao mal e vencê-lo. As defesas da alma acham-se derribadas. O homem não tem barreiras contra o pecado. Uma vez rejeitadas as restrições da Palavra de Deus e de Seu Espírito, não sabemos a que profundezas uma pessoa pode imergir (A Ciência do Bom Viver, p. 428, 429).

Por nós mesmos, é impossível escapar ao abismo do pecado em que estamos afundados. […] É preciso que haja um poder que opere no interior, uma vida nova vinda de cima, para que o homem passe do estado pecaminoso para a santidade. Esse poder é Cristo. Somente Sua graça poderá vitalizar as inativas habilidades espirituais e atrair a pessoa para Deus, para a santidade (Caminho a Cristo, p. 18).

  • SUBMISSÃO A CRISTO

Não nos enganemos, porém com o pensamento de que Deus, em Seu grande amor e misericórdia, salvará até mesmo os que rejeitam Sua graça. O tremendo caráter maligno do pecado somente pode ser avaliado diante da cruz. […].

O amor, o sofrimento e a morte do Filho de Deus dão testemunho da terrível gravidade do pecado e declaram não haver escape do seu poder nem esperança da vida melhor, a não ser por meio da entrega do coração a Cristo (Caminho a Cristo, p. 30, 31).

  • CAMINHO ABERTO

A intercessão de Cristo no santuário celestial, em prol do homem, é tão essencial ao plano da redenção, como o foi Sua morte sobre a cruz. Pela Sua morte iniciou essa obra, para cuja terminação ascendeu ao Céu, depois de ressurgir. […] Jesus abriu o caminho para o trono do Pai, e, por meio de Sua mediação, pode ser apresentado a Deus o desejo sincero de todos os que a Ele se chegam pela fé (Cristo em Seu Santuário, p. 118).

  • O PERIGO DA AUTOJUSTIFICAÇÃO

Quando o pecado amortece as percepções morais, o transgressor não discerne os defeitos do seu caráter nem percebe a gravidade do mal cometido. A menos que aceite o poder persuasivo do Espírito Santo, ele permanece parcialmente cego em relação ao seu pecado. Suas confissões não são sinceras nem verdadeiras. A cada culpa reconhecida, acrescenta um pedido de desculpas pelo que fez, declarando que, se não fosse pelas circunstâncias, não teria praticado esse ou aquele ato pelo qual está sendo reprovado. […] O espírito de justificação própria surgiu com o pai da mentira e tem sido revelado por todos os filhos e filhas de Adão. Confissões desse tipo não são inspiradas pelo Espírito divino e não serão aceitas por Deus. O verdadeiro arrependimento leva as pessoas a assumir sua culpa e reconhecê-la sem justificativas nem hipocrisia (Caminho a Cristo, p. 39, 40).

  • ARREPENDIMENTO E CONFISSÃO

As condições para obter a misericórdia de Deus são simples, justas e razoáveis. […] aquele que confessar seu pecado alcançará misericórdia. […]

Os que não se humilharam diante de Deus, reconhecendo sua culpa, ainda não cumpriram a primeira condição para que sejam aceitos. Se ainda não experimentamos o arrependimento completo e definitivo e não confessamos nosso pecado com verdadeira humildade e espírito quebrantado, aborrecendo nossa iniquidade, não estamos buscando o perdão dos nossos pecados com sinceridade. E, procedendo assim, jamais encontraremos a paz de Deus.

A única razão para não termos nossos pecados perdoados é não estarmos dispostos a humilhar o coração e aceitar as condições da Palavra da verdade (Caminho a Cristo, p. 37, 38).

A confissão verdadeira sempre tem caráter específico e reconhece cada pecado em particular. Esses pecados podem ser do tipo que devem ser levados unicamente a Deus; podem ser erros que precisam ser confessados àqueles que sofreram a ofensa; ou podem ter um caráter público, devendo, então, ser confessados em público. Mas toda confissão deve ser objetiva e direta, reconhecendo justamente os pecados dos quais somos culpados (Caminho a Cristo, p. 38).

  • TOTAL ENTREGA

Os que sentem o amor de Deus não perguntam qual é o mínimo que podem fazer para cumprir os requerimentos de Deus; não perguntam qual é a norma mais baixa, mas seu desejo é andar em total harmonia com a vontade do Redentor. Com sinceridade, renunciam a tudo e manifestam um interesse proporcional ao valor do objeto que buscam. Dizer ser cristão sem sentir esse amor profundo é falar de maneira vazia, uma fria formalidade e algo extremamente penoso (Caminho a Cristo, p. 44, 45).

  • ABANDONO DO PECADO

A confissão não será aceitável a Deus sem o sincero arrependimento e reforma. É preciso que haja mudanças decisivas na vida; tudo o que for ofensivo a Deus deve ser afastado. Isso será o resultado de uma genuína tristeza pelo pecado (Caminho a Cristo, p. 39). Deus não pede que renunciemos a coisa alguma que traga benefícios para nós. […] Nenhuma felicidade verdadeira existe no caminho proibido por Aquele que sabe o que é melhor e quer o bem das Suas criaturas. O caminho da transgressão só leva à miséria e destruição (Caminho a Cristo, p. 45, 46).

  • DECISÃO URGENTE

Cuidado, ao ficar protelando! Não deixe para depois a decisão de abandonar seus pecados e buscar a pureza de coração por meio de Jesus. […]

Cada ato de transgressão, cada negligência ou rejeição da graça de Cristo cai sobre você mesmo, endurecendo o coração, tornando a vontade depravada, entorpecendo o entendimento e deixando-o cada vez menos sensível ao chamado do Santo Espírito de Deus (Caminho a Cristo, p. 31, 32).

O poder de escolha que Deus deu ao ser humano deve ser exercitado. Você não pode mudar o próprio coração, nem, por si mesmo, entregar suas afeições para Deus, mas pode escolher servir a Deus. Você pode dar-Lhe a sua vontade. Ele então operará em você o querer e o fazer, segundo Sua graça (Caminho a Cristo, p. 46, 47).

  • PERMANECER EM CRISTO

Agora que você se entregou a Jesus, não volte atrás, nem se afaste Dele, mas repita diariamente: “Sou de Jesus Cristo; a Ele me entreguei.” Peça-Lhe que conceda a você Seu Espírito e que o sustente com Sua graça. Da mesma maneira que se tornou um filho de Deus quando creu Nele e a Ele se entregou, assim também você deve viver Nele. Diz o apóstolo: “Como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai Nele” (Cl 2:6) (Caminho a Cristo, p. 51).

Onde existe não apenas a crença na Palavra de Deus, mas também uma submissão da vontade a Ele; onde o coração é entregue e as afeições são Nele concentradas, aí existe fé – uma fé que opera por meio do amor e que purifica o coração. Mediante essa fé, o coração é renovado à imagem de Deus. E o coração que, em seu estado não regenerado, não se submete à lei de Deus, agora se alegra nos Seus santos preceitos […]. E a justiça da lei se cumpre em nós, “que não andamos segundo a carne, mas segundo o espírito” (Rm 8:4) (Caminho a Cristo, p. 63).


MOTIVO DE ORAÇÃO

1. Por reavivamento em minha família.

 

2. Para que meus cinco amigos de oração aceitem estudar a Bíblia

 

3. Por meu amigo que está afastado da igreja.


ATIVIDADE MISSIONÁRIA

Enviar uma mensagem de incentivo e esperança ao amigo que você visitou ontem.

Facebook Comments

sobre baixoguandu

É um grande privilégio de elaboração do site PORTAL ADVENTISTA DE BAIXO GUANDU/ES, no dia 18 de Setembro 2014 para a divulgação aqui na cidade local, regional e em todos os Países. Nosso Objetivo é divulgarmos os programas, materiais entre outros que se realizam na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em prol do Evangelho Eterno, assim diz o Senhor: “ Breve Jesus Cristo Voltará” Apocalipse 22:1-21. Portanto não será então em benefício próprio, sim a necessidade desse divulgação nessa cidade que todos se entregam sua vida a Jesus Cristo, nosso Salvador. Att: Thiago Amaral de Oliveira - Baixo Guandu/ES.

Além disso, verifique!

Tema 1 – A necessidade do resgate | 10 Dias de Oração (áudio)

Facebook Comments

×

Portal Adventista de Baixo Guandu/ES

Seja Bem-Vindos (as) ao Portal Adventista de Baixo Guandu/ES. Conheça os Materiais e Conteúdos da Igreja Local e Mundial.

× Atendimento Online!