Dia das Mães 2020

Lista de reprodução com homenagens

Lindos materiais

Artigos Especiais

As mães da Bíblia e suas lições eternas

O amor inigualável de uma mãe pelos filhos produz muitos ensinamentos. Lições que, durante a infância, adolescência ou juventude, as pessoas costumam não dar a devida importância, mas que posteriormente passam a ter um valor inestimável.

Eu, por exemplo, era várias vezes aconselhado (advertido) por minha mãe para diminuir o tempo do futebol na rua com a molecada e aumentar o tempo de estudos. Algumas vezes, bastante contrariado, eu aceitava a sugestão. Ouvia o barulho da bola quicando e ficava ansioso. Mas aceitava a orientação da mãe, mesmo sem ter completa ideia da importância disso no futuro.

Anos mais tarde, valorizei aqueles conselhos, quando me dei conta que, sem estudar mais do que o mínimo desejado, não teria muito êxito pessoal e nem profissional. Aliás, o tempo maior de estudos e leitura me ajudou a ser alguém mais contextualizado e amante da escrita e dos textos.

Leia também:

Na Bíblia, vale a pena observar algumas mães, suas lições deixadas e o benefício para filhos que, talvez, em um primeiro momento, nem perceberam a relevância de dar ouvidos ao conselho materno:

A mulher de Manoá e mãe de Sansão (Juízes 13) – Apesar de sequer ter seu nome mencionado na Bíblia, sem dúvida alguma a curta menção a ela nos leva a pelo menos uma boa reflexão. A mãe do famoso juiz era temente a Deus e obediente. Se não fosse por sua aceitação da orientação divina, provavelmente Sansão não teria avançado nem um décimo do que avançou no seu trabalho como libertador de Israel da opressão midianita.

A fervorosa e paciente mãe de Samuel (I Samuel 1) – Com grande certeza, o profeta Samuel deveu muito do seu caráter à sua mãe Ana. Ela desafiou as dificuldades da convivência com um marido bígamo, com a inveja da outra mulher dele e com a incompreensão dos próprios líderes religiosos. Ficou conhecida por sua oração sincera e podemos acrescentar pela paciência também. Em vez de desistir com as primeiras dificuldades, perseverou porque tinha um foco.

A sunamita amiga de Eliseu (II Reis 4) – Outra que não tinha nome registrado, mas cujo ímpeto em favor do filho ficou marcado. Designada apenas como sunamita, essa mulher não mediu esforços para que o filho fosse ressuscitado pelo profeta Eliseu. Ela mesma fez uma viagem de cerca de 25 quilômetros até onde estava o profeta porque acreditava no poder divino para dar a vida. Aparentemente não tinha muito sentido o que ela fazia. Mas ela era realmente uma mãe de profunda e consistente fé.

A mãe de Timóteo (II Timóteo 1:5) – Aqui a descrição é muito breve, mas o que se diz de Eunice, mãe do líder cristão Timóteo, um discípulo do apóstolo Paulo, é bastante enriquecedor. Paulo diz que a fé de Timóteo não era fingida a exemplo da sua mãe e da sua avó. A influência de Eunice para o filho foi provavelmente imprescindível para que ele se tornasse um líder respeitado na comunidade cristã primitiva. Ainda mais que possivelmente seu pai, já falecido, era grego e acredita-se que não fosse um cristão. Aqui se vê o papel de uma mãe consciente do seu dever como líder espiritual.

Esses são apenas alguns exemplos. Há muitos outros que merecem nossa leitura e estudo. Mas ao ler essas histórias bíblicas fico motivado por ver que Deus preservou na Sua Palavra a inspiração da vida de mães que, além de demonstrarem amor incondicional pelos filhos, foram pilares importantíssimos para o êxito deles em todos os aspectos da vida.

Por isso, as mães são peça-chave no entendimento da salvação do ser humano. As características daquelas que se deixam ser conduzidas por Deus ilustram muito bem o interesse do próprio Criador que vai até as últimas consequências para redimir quem Ele criou.


supermae

Mulher maravilha

Você com certeza já ouviu falar nela: a Mulher Maravilha. Criada nos Estados Unidos com o nome de Wonder Woman, foi a primeira super-heroína das histórias em quadrinhos criadas pela DC Comics e apareceu pela primeira vez em All Star Comics, em 8 de dezembro de 1941. A partir daí virou filme e outras coisas mais. Os poderes da Mulher Maravilha, conforme descritos nos filmes e desenhos são impressionantes:

– Força física, invulnerabilidade, resistência corporal, capacidade de voo, agilidade, reflexos rápidos, velocidade, audição acima da média, empatia com animais, fator de cura, imunidade a lesões e controles mentais, imortalidade, capacidade de falar todos os idiomas, resistência ao fogo, mestre em combate corpo a corpo, habilidade com armas, pilotagem, entre outros poderes incríveis e sobre humanos. Pura fantasia. Um faz de conta sem fim.

Mas sabe o que é pior? Há mulheres por aí com síndrome de “mulher maravilha”. Acham que tem que dar conta de tudo, ser as melhores profissionais do mercado, manter-se lindas e impecáveis com um sorriso branco e sem rugas colado no rosto 24 horas por dia, e ostentar um corpo perfeito, magro e simétrico. Por que pensam assim? Vamos analisar.

O mundo passou por mudanças radicais no século passado e as mulheres tiveram seu papel na família e na sociedade completamente alterado. Elas passaram a competir no mesmo nível dos homens pelas vagas do mercado de trabalho, ficando horas fora de casa e adiando a opção de ter filhos. E, quando eles nascem, o cuidado dedicado a eles fica restrito a umas poucas horas vagas.

Aquela imagem do passado, da mulher prendada, boa cozinheira, caprichosa com a limpeza e, acima de tudo, amável com o marido e com os filhos é hoje vista com deboche. É uma imagem evitada a qualquer custo e vista como um retrocesso. Sem dúvida esse é o quadro atual.

E aí, isso é bom ou é ruim? Vou usar um fato que aconteceu comigo, alguns anos atrás, e que me abriu os olhos com relação a esse assunto, mais especificamente na mudança do papel da mãe no ambiente familiar.

Foi no dia 31 de outubro de 2002 que Suzane Richthofen abriu a porta da mansão da família, no Brooklin, em São Paulo, para que os irmãos Daniel e Christian Cravinhos entrassem. Depois disso eles foram para o segundo andar do imóvel e mataram Manfred e Marísia, pais de Suzane, com marretadas na cabeça. O objetivo do crime: dividir a herança de Suzane. Já reparou como este tipo de notícia se multiplicou na última década? Já perdi as contas das histórias, uma mais pavorosa que a outra.

Pois bem, pouco tempo depois do caso Richthofen, levei minha filha, na época com 4 ou 5 anos, para brincar no parquinho do bairro onde morávamos. Conhecíamos uma menina que, todos os dias, ia ao parque com sua babá. Mas naquele domingo, ao levar minha filha para suas brincadeiras, vi a pequena garota chegar com outra mulher. Resolvi me aproximar e perguntar se ela era a mãe da amiguinha da minha filha. Não, não era. Era a babá dos finais de semana.

Qual a relação que há entre esse fato e o crime mencionado acima? Por favor, entenda que não estou justificando a atitude odiosa daqueles assassinos. Mas pense comigo, qual a afinidade que filhos desenvolvem com pais se esses não são presentes, carinhosos e atenciosos? Se estão mais preocupados em acumular fortuna do que em gastar tempo com as pequenas necessidades de seus filhos? Que tipo de sentimentos os filhos terão por seus genitores se apenas recebem deles compensações materiais? Que tipo de filhos estamos criando se somos totalmente ausentes na criação deles e se ensinamos, com nossa postura, que os bens materiais estão acima de qualquer coisa? Se continuarmos com esse tipo de postura, temo que o futuro nos reserve mais e mais histórias criminosas que envolvem pais e filhos.

Aquela menina que eu via todos os dias no parquinho tinha roupas de marca, frequentava um ótimo colégio e tinha os brinquedos mais modernos antes de todas as outras crianças. Mas não passava de uma “pobre menina rica”.

Hoje o mundo está cheio de “mulheres maravilhas” que estão por aí, alimentando suas “necessidades” pessoais de status, gastando tempo em excesso com sua aparência física e com o pouco tempo que resta estão criando “pobres crianças ricas”. Não sei se você concorda comigo, mas insisto em dizer que nossos filhos não querem coisas, querem a nossa presença, o nosso tempo, querem o nosso amor, o nosso toque, o nosso interesse, o melhor de nossas forças, o máximo da nossa sabedoria. Não querem uma “mulher maravilha”, querem uma “mulher de carne e osso”, presente, bem ali do lado deles.

O Dia das Mães está aí e é um bom momento para refletirmos sobre isso.

Facebook Comments

sobre baixoguandu

É um grande privilégio de elaboração do site PORTAL ADVENTISTA DE BAIXO GUANDU/ES, no dia 18 de Setembro 2014 para a divulgação aqui na cidade local, regional e em todos os Países. Nosso Objetivo é divulgarmos os programas, materiais entre outros que se realizam na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em prol do Evangelho Eterno, assim diz o Senhor: “ Breve Jesus Cristo Voltará” Apocalipse 22:1-21. Portanto não será então em benefício próprio, sim a necessidade desse divulgação nessa cidade que todos se entregam sua vida a Jesus Cristo, nosso Salvador. Att: Thiago Amaral de Oliveira - Baixo Guandu/ES.

Além disso, verifique!

Homenagem Dia dos Pais 2020

Neste seu dia, o Ministério da Família da Igreja Adventista agradece a você pelo ministério …

×

Portal Adventista de Baixo Guandu/ES

Seja Bem-Vindos (as) ao Portal Adventista de Baixo Guandu/ES. Conheça os Materiais e Conteúdos da Igreja Local e Mundial.

× Atendimento Online!