Novidades

Por que a Igreja precisa responder ao desafio da exclusão digital

Jovens podem ser uma ponte entre outros jovens (ou pessoas com mais tempo de vida) e a tecnologia.

No final de janeiro deste ano, a Alphabet, empresa dona do Google, anunciou o encerramento do projeto Loon. A iniciativa tinha o objetivo de levar conectividade a áreas remotas do mundo por meio de balões. O projeto chegou a fazer testes em áreas isoladas do Quênia, mas não conseguiu seguir adiante. Sobravam boas intenções e faltavam pragmatismo e viabilidade comercial.

Na mesma semana em que o ousado projeto Loon chegava ao fim, o portal Uol publicou reportagem com o título “Pobreza e exclusão digital estragam preparação ao Enem no sertão nordestino”. O texto trazia depoimentos de pessoas vivendo um drama: a incapacidade de se preparar e até mesmo participar das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em sua versão digital. E isto aconteceu pela mesma razão que motivou a criação dos balões do Google: a exclusão digital.

Leia também:

A pandemia ampliou desigualdades sociais e econômicas, expandindo o abismo entre ricos e pobres e apontando o resultado deste desequilíbrio em áreas diversas. A exclusão digital é parte deste desequilíbrio. Já era um problema antes da covid-19, mas a pandemia enfatizou a escala de desigualdade no acesso à tecnologia e o impacto que isso pode ter nas perspectivas das pessoas a longo prazo.

No Brasil, quatro em cada cinco lares têm acesso à internet. Há, no entanto, 45,9 milhões de pessoas no universo brasileiro de excluídos digitais. Isso representa cerca de 25% da população do País, com 10 anos ou mais de idade, vivendo a escuridão digital. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Tecnologia da Informação e Comunicação (Pnad Contínua – TIC) de 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar do impacto da economia nesse levantamento, o problema da exclusão digital no País não se resume a acessibilidade, como é o caso dos estudantes sertanejos do Nordeste incapacitados de se preparar para o exame do Enem. Há aqueles que têm outra dificuldade, que é de educação digital. Entre os motivos para a falta de acesso à internet, 41,6% disseram que não sabiam usar a rede.

Janela de oportunidades

E o que isso tem a ver com a Igreja? Absolutamente tudo. No período da pandemia, a Igreja Adventista do Sétimo Dia ampliou seus serviços digitais. Com as restrições e lockdowns, templos tiveram suas atividades presenciais temporariamente suspensos, e o distanciamento social ainda é uma medida efetiva de enfrentamento à pandemia. Em uma realidade assim, a inclusão digital é garantia de inserção em tudo aquilo que a realidade digital oferece: aprendizagem, renda, comunidade e, claro, adoração e experiência cristã.

É um contexto que leva a acreditar que a Igreja seria beneficiada ao inspirar voluntários para responder à exclusão digital. Assim como beneficiaria outras pessoas. E isto poderia ser feito a partir das duas realidades desse tipo de exclusão: acessibilidade e educação.

Na área de acessibilidade, os templos poderiam fazer o levantamento nas comunidades circunvizinhas e em meio aos próprios membros para descobrir se há alguém próximo à congregação vivendo este desafio. A partir daí, é possível fazer campanha entre os membros e amigos para doações. Desde laptops usados até a conexão 4G para estudantes sem acesso à internet. É um trabalho que apresenta uma oportunidade de relacionamento da igreja com diversos segmentos sociais, do poder público ao empresariado.

Na outra necessidade, a de educação digital, a igreja local poderia abrir seus espaços e até mesmo espaços virtuais para ajudar pessoas carentes de alfabetização digital. Há muita gente que poderia alcançar desenvolvimento ao aprender a melhor usar as redes sociais e a internet, extraindo todo o potencial que esta rede oferece e aprendendo a escapar de suas inevitáveis armadilhas. Seria um ganho excepcional para a qualidade de vida dessas pessoas, em aspectos sociais, econômicos, mentais e espirituais.

Enquanto pregava no deserto, se preparando para a chegada de Jesus, João Batista ensinou que uma das formas de estar pronto para a vinda do Messias era por meio da partilha. “Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos, faça da mesma maneira”, disse ele (Lucas 3:11).

É um conselho que pode ser usado também como resposta a este desafio digital tão limitante para as pessoas ao redor da igreja, ou mesmo dentro dela: Vale partilhar aquela camiseta esquecida no guarda-roupa e também aquele smartphone ou laptop que você não usa mais, bem como criar movimentos para compartilhar acesso à internet para quase 26 milhões de brasileiros excluídos da sociedade digital.

Facebook Comments

sobre Portal Adventista Baixo Guandu

Avatar
"É um grande privilégio de elaboração do site PORTAL ADVENTISTA DE BAIXO GUANDU/ES, no dia 18 de Setembro 2014 para a divulgação aqui na cidade local, regional e em todos os Países. Nosso Objetivo é divulgarmos os programas, materiais entre outros que se realizam na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em prol do Evangelho Eterno, assim diz o Senhor: “ Breve Jesus Cristo Voltará” Apocalipse 22:1-21. Portanto não será então em benefício próprio, sim a necessidade desse divulgação nessa cidade que todos se entregam sua vida a Jesus Cristo, nosso Salvador. Att: Thiago Amaral de Oliveira - Baixo Guandu/ES."

Além disso, verifique!

10 habilidades para ter uma vida feliz

Para viver de forma saudável no campo das emoções e relacionamentos, é importante o auto …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − 7 =