Tema 05: A Receita da Paz – 22 de Fevereiro 2021

Texto: “Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar.” Isaías 55:6, 7

Considerando à luz da Bíblia que a família é uma das comparações da igreja de Deus, o livro de Isaías é totalmente familiar. Ele é considerado como o evangelho do Novo Testamento e tem uma abordagem abrangente, cujas seções divisórias expressam abordagens que se complementam. Inicia apresentando a glória de Deus e o estado espiritual caótico de Seu povo, apelando para que substituam as dádivas e sacrifícios pela entrega de seu coração. A situação é tão deteriorada que Deus proíbe a entrega das ofertas, sendo consideradas “ofertas vãs”. Vejamos Isaías 1:13. Por essa razão, os primeiros 39 capítulos apresentam a face de um Deus zeloso, que é interpretado como demasiadamente severo, enquanto a sessão a partir do capítulo 40 de Isaías apresenta a face de Cristo, o servo sofredor que convida, apela e consola. Essa realidade tem levado alguns eruditos a questionar a autoria de Isaías ou de um mesmo autor. No entanto, não devemos esquecer que o amor verdadeiro é aquele que traz a misericórdia e a justiça. E como afirma o pensador Samuel Aun Wear: “A justiça sem misericórdia é tirania, e a misericórdia sem justiça é anarquia”. Pender para um desses extremos significa comprometer a integridade do evangelho e tirar a paz. Há dois versos em Isaías que declaram, em forma de receita, como, em família, podemos ter paz. Leiamos juntos Isaías 55:6 e 7.

A DEFINIÇÃO DE PAZ

Quando Cristo afirmou “A minha paz vos dou”, Ele a definiu como singular, usando o pronome possesivo “minha”. Diferente do conceito usual de que a paz é entendida como um lago quieto e um lugar tranquilo, a paz que Cristo dá é completa, porque não depende das circunstâncias exteriores e provém de uma busca por Ele. Na visão bíblica, a paz não é uma ausência de guerra, sofrimento ou problemas, mas o recebimento de uma pessoa que revoluciona nosso ser. Nenhuma família viverá como família sem a paz, que é Cristo. Ele traz a serenidade necessária, a firmeza moral, a afetividade primordial e o amor incondicional para que os laços relacionais entre pais e filhos, marido e esposa, sejam bem firmados e estabelecidos. A pior desgraça que pode existir é uma família em guerra. Baseado em sua triste experiência, alguém afirmou que se o casamento e a família são uma fonte de alegria, ele não quer conhecer a fonte de tristeza. Os crimes mais hediondos são os considerados crimes passionais. Todo esse cenário se justifica pela ausência do principal fator integrativo e essencial da família: Cristo, a personificação da paz. Isaías apresenta essa paz e ressalta passos prévios declarados em forma de receita. Toda família que seguir esses passos certamente terá e viverá essa almejada paz.

OS INGREDIENTES DA RECEITA

A realidade doméstica já conhece a importância de se cumprir os passos e os ingredientes de uma receita. A mais conhecida e que certamente está presente em todos os lares é a receita do bolo. E não precisa ser um MasterChef para saber que, se falta um dos ingredientes, como os ovos, por exemplo, dependendo do bolo que é feito, seu resultado será desastroso. O versículo seis inicia com o primeiro ingrediente: “Buscai ao Senhor”. Esse imperativo é o imperativo da vida. Essa porção bíblica surge como o mais solene chamado da graça no livro de Isaías. O texto está incluído na segunda sessão do livro, que apresenta o Messias como servo sofredor. Esse versículo se concentra no convite do Senhor ao povo, colocando Jesus como o servo que deseja ser buscado. Por isso, Ele é apresentado como disponível para saciar a sede (v. 1), alimentar o faminto (v. 2), desejoso por uma aliança (v. 3), prometendo encher o vazio com Suas palavras, trazendo prosperidade (v. 10), e apelando ao povo para buscá-Lo enquanto Ele pode ser encontrado e invocá-Lo enquanto está perto (v. 6). O capítulo 55 de Isaías fecha a seção do livro que centraliza a mensagem de salvação. Apesar de todas as traduções não afetarem o sentido da mensagem, deturpando a verdade teológica expressa; destacamos as versões que dizem: “Buscai ao Senhor enquanto Ele pode ser encontrado, invocai-o enquanto está próximo”, pois elas se assemelham ao texto original, conhecido como massorético. O próximo passo depois da busca é invocar, que surge como ênfase, pois está relacionado ao verbo buscar. Esse é o grito de Deus para Seu povo para buscá-Lo e invocá-Lo enquanto Ele está perto. Deus está clamando para as famílias atuais do mesmo modo hoje, e as expressões “enquanto está perto” e “enquanto se pode achá-lo” têm uma relevância, principalmente hoje, diante do desdobramento profético de nossos dias.

PONTO DE CONVERGÊNCIA

A paz tem uma convergência. Nesse texto, em forma de receita, aprendemos que a paz e um estado advindo de uma experiência, a entrega do coração, que resulta em uma mudança de mente, seguida por uma mudança de atitude. Por sua vez, a paz do mundo ocorre de fora para dentro, baseia-se nas circunstâncias, e é passageira e mutável. A paz de Cristo reflete uma conversão experimentada, resultante do abandono do mau caminho e do retorno ao Senhor. As palavras de Isaías apresentam essa sequência perfeita: “Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar” (Is 55:7). A pura e completa justificação pela fé em Jesus aqui é descrita e confirmada. Ao buscar o Senhor, deixamos o mau caminho. A ordem altera a sentença da fórmula. Não deixamos o mau caminho para buscá-Lo; buscamos o Senhor para deixar o mau caminho. A justificação inicia com o arrependimento ou discernimento do caminho mau em que nascemos e estamos. Vem do grego metaoneu (mudança de mente). Essa mudança de mente é produzida pelo Espírito Santo. Tal discernimento nos conduz a uma mudança de atitude ou direção, o que chamamos, na teologia bíblica, de conversão, do grego Epistaoneu. Essa volta para o Senhor traz perdão. Aqui não se descreve um perdão relutante, mas desejoso. É apresentado um Deus que Se compadece de nós e que é rico para perdoar. Aqui aprendemos que toda ida ao Senhor não é uma ida, mas, sim, uma volta, pois pertencemos originalmente a Ele desde a criação. Cristo é o ponto de convergência, a paz verdadeira. Nenhuma família que O busca permanece a mesma. Essa receita apresenta o primeiro passo que deságua nos demais.

CONCLUSÃO

Deus só é encontrado quando Se permite ser encontrado. Essa permissão pode ser definida por graça e comprova o desejo de Deus em salvar quem quer ser salvo. A graça foi expandida a todos indistintamente. Todavia, ela não espera uma resposta indistinta e coletiva, mas, sim, pessoal. Com essa mensagem, Isaías levanta o estandarte evangélico, transcendendo a um apelo meramente profético e estabelecendo o convite da graça. Esse convite, expresso em Isaías 55:6, esperava uma pronta resposta do povo de Israel, que estava perdido, e pela busca do Senhor, vagueava de exílio em exílio. Porque é nesse aspecto da Teologia que percebemos a limitação divina, pois Deus não pode efetuar Seu plano salvífico sem a aceitação do pecador e sua pronta disposição para adentrar em uma relação de graça nunca experimentada por ser humano algum. Nenhuma família precisa conviver em constante discórdia e desafetos. Ao ser buscado no lar, Cristo traz o que falta. O Israel espiritual também se encontra exilado neste mundo de pecado, e, diante do mesmo convite de graça que ressoa hoje pelas Sagradas Escrituras, precisamos nos apropriar dessa graça estendida com os braços da fé e adentrar em uma relação estreita, singular e completa com o Autor do convite que expressa graça com as seguintes palavras: “Buscai ao Senhor, enquanto pode ser encontrado, invocai-O enquanto está perto” (Is 55:6). Que família hoje gostaria de dizer eu aceito? Venham juntos. Eu quero orar por vocês.

Facebook Comments Box

sobre Portal Adventista Baixo Guandu

Avatar
"É um grande privilégio de elaboração do site PORTAL ADVENTISTA DE BAIXO GUANDU/ES, no dia 18 de Setembro 2014 para a divulgação aqui na cidade local, regional e em todos os Países. Nosso Objetivo é divulgarmos os programas, materiais entre outros que se realizam na Igreja Adventista do Sétimo Dia, em prol do Evangelho Eterno, assim diz o Senhor: “ Breve Jesus Cristo Voltará” Apocalipse 22:1-21. Portanto não será então em benefício próprio, sim a necessidade desse divulgação nessa cidade que todos se entregam sua vida a Jesus Cristo, nosso Salvador. Att: Thiago Amaral de Oliveira - Baixo Guandu/ES."

Além disso, verifique!

Tema 10: A Esperança para a Família

  Texto: “Procura conhecer o estado das tuas ovelhas e cuida dos teus rebanhos, porque …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 1 =

×

Sejam Bem-Vindos!

Sejam Bem Vindos ao Nosso Portal Adventista de Baixo Guandu/ES. Estamos a Disposição 24 Horas.

× Fale Conosco 24 horas!